121

Na noite desta quarta-feira (30), Lula discursou no “Encontro Internacional Democracia e Liberdade”, organizado pelo Grupo de Puebla na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), na capital fluminense que reuniu milhares de estudantes e acadêmicos do Rio de Janeiro.

Em dois dias de programação, o evento reuniu intelectuais e figuras políticas do Brasil e da América Latina, a exemplo dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff (PT), a vice-presidente da Espanha Yolanda Díaz, e a senadora colombiana María José Pizarro.

Ao todo, representantes diplomáticos e legislativos de 11 países compartilharam reflexões sobre os principais desafios na construção de um modelo solidário de desenvolvimento. 

Com um público de centenas de pessoas lotando a Concha Acústica Marielle Franco, no principal campus da universidade, no bairro Maracanã, zona Norte do Rio, o ex-presidente Lula deu início à sua fala por volta das 18h15. 

Com a presença de parlamentares do campo progressista carioca no palco, ele relembrou a relação de igualdade e respeito que o Brasil construiu com diversos países durante seu governo. 

“A gente não falava fino com os Estados Unidos e grosso com a Bolívia. A gente falava com todo mundo do mesmo jeito. Eu visitei todos os países da América Latina e Caribe, 30 países da África. Nós conseguimos fazer com que o Brasil fosse referência no debate mundial. Acho que foi um pouco isso que incomodou os americanos. Eles não admitiam que tivesse outra força política que não eles”, disse Lula para a plateia vestida de vermelho e com bandeiras de movimentos sociais.

Além de lideranças internacionais, Lula dividiu o palco com a noiva, Janja, Marcelo Freixo (PSB), Dilma Roussef (PT), Gleisi Hoffmann (PT), André Ceciliano (PT) e Ricardo Lodi Ribeiro, que renunciou ao cargo de reitor da Uerj durante a fala de abertura do evento. Segundo Lodi, sua saída se deve à participação dele no projeto de “recuperação do país”. No lugar dele, deve assumir a instituição de ensino superior o professor Mário Carneiro.

Lula, que é pré-candidato pelo Partido dos Trabalhadores, está no Rio desde o último sábado (26), quando participou do Festival Vermelho em comemoração ao centenário do PCdoB em Niterói, na região metropolitana.

“Vim aqui pra falar de igualdade. Quero que os países sejam tratados em igualdade de posição. Precisamos avisar ao Putin, ao Biden, a todos esses presidentes, que ninguém quer essa guerra. O mundo não precisa disso. Aqui no Brasil, seria tudo resolvido com uma cerveja, até acabar as garrafas a gente iria fazer um acordo de paz”, disse ao se referir à guerra na Ucrânia.

Lula ainda tratou de política internacional, referindo-se a Vladmir Putin, presidente da Rússia, e Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, e brincou: “Parem de guerra, o povo quer paz, o povo precisa de paz. A quem interessa essa guerra? Aqui no Brasil, a gente conversaria com cerveja numa mesa de bar. Se não fosse na primeira seria na segunda ou até a caixa acabar”.

Ao fim, Lula bradou: “Esperem que nós vamos voltar! E quando a gente voltar, vamos tratar de abrasileirar o preço das coisas. Nós venceremos!”

Cancelamento do evento

Em outro momento do discurso, Lula falou sobre as tentativas de cancelamento do evento na Uerj por parte do deputado estadual Alexandre Freiras (Podemos). “Faz dois dias que me orientam que não posso falar de eleição. Havia muita inquietação. Eu vim pra casa pensando em colocar uma mordaça”, afirmou.

Nesta semana, o Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negaram as duas ações movidas pelo parlamentar pedindo o cancelamento do encontro na Uerj. Freitas argumentou que o evento seria um “comício disfarçado de encontro internacional”. 

No entanto, a sentença da juíza Neusa Regina Larsen de Alvarenga Leite, da 7ª Vara da Fazenda Pública do Rio, aponta que o evento não é ilegal e promove discussões entre diversas personalidades, incluindo ex-presidente de países como Brasil, Espanha e Colômbia, sobre democracia e igualdade. 

Já a decisão da ministra do TSE Maria Claudia Bucchianeri ressaltou a ilegitimidade do deputado na alegação. Nas eleições presidenciais, apenas partidos políticos, coligações, candidatos e o Ministério Público Eleitoral (MPE) podem mover representação por propaganda eleitoral irregular.


0 Comments

O seu endereço de email não será publicado.

Porfavor, ajude o Viva São Gonçalo desligando o seu adblock.

Somos um portal de comunicação livre que busca novas formas de produção e distribuição de informação a partir da tecnologia. Entendemos a comunicação democrática como um direito humano e defendemos o interesse público, a diversidade cultural e o direito à informação, visibilizando pautas de comunicação, causas identitárias, cultura, meio ambiente, juventude e outras que dialogam com os desafios do século XXI.

 

Agradecemos sua colaboração.