109

A cada nova decisão tomada pelo governo de Jair Bolsonaro para inviabilizar a vacinação infantil contra a Covid-19 no país fica uma pergunta: Qual é o limite?

Ao que parece, ainda não chegamos à fronteira final dos absurdos, já que o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, chefiado por Damares Alves, também entrou na onda de emitir notas técnicas esdrúxulas em defesa de posições obscurantistas e anticientíficas. A cereja do bolo ficou por conta da decisão da ministra de disponibilizar o Disque 100, disque-denúncia do governo federal voltado para receber informações relacionadas a violações aos direitos humanos, para que aquele antivacina que se sentir discriminado notifique o Estado.

Parece piada, mas não é.

A nota foi concluída e publicada em 19 de janeiro e tem a assinatura de três secretários e um diretor do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, além da chancela de Damares, que passou a distribuir internamente o documento, para outras pastas federais, dois dias depois.

Como é habitual, o governo deu uma justificativa para tomar a medida absurda. Segundo a pasta de Damares, a decisão de disponibilizar o disque-denúncia veio após a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos receber muitos contatos relatando “discriminação” por parte de pessoas que optaram por não se vacinar.

Medo de sobrecarga

Técnicos e servidores do Disque 100 afirmaram, reservadamente, que estão receosos de que a orientação baixada na nota técnica do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos possa desencadear um congestionamento ou sobrecarga no sistema, já que apoiadores do presidente que militam na causa antivacina poderiam passar a realizar telefonemas em massa para o órgão, que foi concebido com outra finalidade e não estaria preparado para a enxurrada de reclamações de bolsonaristas que não acreditam nos imunizantes.

Por: Equipe Viva São Gonçalo


0 Comments

O seu endereço de email não será publicado.

Porfavor, ajude o Viva São Gonçalo desligando o seu adblock.

Somos um portal de comunicação livre que busca novas formas de produção e distribuição de informação a partir da tecnologia. Entendemos a comunicação democrática como um direito humano e defendemos o interesse público, a diversidade cultural e o direito à informação, visibilizando pautas de comunicação, causas identitárias, cultura, meio ambiente, juventude e outras que dialogam com os desafios do século XXI.

 

Agradecemos sua colaboração.